Foto: Shutterstock
Economia

Open banking pode abocanhar até R$ 110 bilhões dos bancos tradicionais no Brasil

Prestes a ser implementado no Brasil, o open banking irá disputar 60 milhões de clientes e pode causar uma perda de receitas para os grandes bancos de até R$ 110 bilhões

Read in english

Prestes a ser implementado no Brasil, o open banking irá disputar 60 milhões de clientes e pode causar uma perda de receitas para os grandes bancos de até R$ 110 bilhões, de acordo com estimativa da Roland Berger.

Estudo realizado pela consultoria alemã mostra que o Brasil tem potencial para ser a nova referência mundial em open banking, considerando as mudanças que o Banco Central (BC) pretende implementar e que devem promover transformações mais efetivas do que as verificadas na União Europeia e no Reino Unido e, consequentemente, um impacto maior no sistema bancário tradicional.

Acertos do open banking brasileiro

A agenda regulatória do open banking é uma tendência global, mas o desenho do open banking e a estratégia de implementação mudam em cada país. De acordo com o diretor sênior da Roland Berger, João Bragança, os diferenciais do desenho do open banking brasileiro são a gestão centralizada da implementação no Banco Central (BC), a criação de um padrão de comunicação via APIs (application programming interface) e um escopo de produtos mais amplo. 

LEIA TAMBÉM: Open banking vem aí: seus dados bancários são seus

O estudo da Roland Berger aponta gargalos na implementação do open banking na União Europeia e no Reino Unido, como a descentralização da implementação e a customização de APIs, o que resultou em um grande problema de comunicação entre as interfaces de cada instituição. No Reino Unido, foi exigido que 50% do mercado adotasse uma API padrão.

“O Brasil está aprendendo com os erros que outros países cometeram e está indo além: implementação coordenada pelo Banco Central, participação de todas as instituições, API padronizada e um escopo de produto muito maior. Isso amplia a concorrência, reduz preços, aumenta a qualidade da oferta para o consumidor”, explica Bragança.

Imagem: Roland Berger/Divulgação

Experiência do cliente e maior oferta de produtos são soluções para se manter competitivo

Para Bragança, as empresas do setor bancário poderão adotar duas estratégias para manter a competitividade: o fortalecimento do relacionamento com os clientes, aprimorando a experiência do consumidor; ou a ampliação da oferta de produtos e a eficiência de gestão, em que a disputa é pelo preço e pelo equilíbrio entre risco e retorno. 

Enquanto fintechs, big techs e varejistas podem ter mais facilidade para se adequar à primeira estratégia, os grandes bancos devem priorizar a segunda e agir rápido para evitar a perda de receita e de clientes, buscando formas de se manter atrativos junto aos clientes de alta e baixa renda. Isso porque a clientela de alta renda já é contemplada por plataformas/players de investimentos e a clientela de baixa renda ganhou atenção com o Caixa Tem e carteira digitais

Por outro lado, esse mesmo cenário coloca os grandes bancos em vantagem na competição pela classe média, para a qual há menos ofertas específicas e é justamente a maior clientela dessas instituições. 

“Os bancos tradicionais têm vantagem com a classe média, que é menos disputada por players emergentes. Então, vale mais investir em bons produtos para esse segmento do que entrar na concorrência por mercados nichados que já estão bem atendidos”, analisa Bragança.

LEIA TAMBÉM: Crédito cresceu 15,4% no Brasil em 2020; maior alta desde 2012

Ele reforça a urgência de mudanças na interface de experiência do cliente. 

“Os bancos tradicionais não possuem mindset digital para competir com players que nasceram digitais. Precisam melhorar a interface de experiência do cliente. No Brasil, o sistema financeiro é muito concentrado, com baixa concorrência, o que fez com que os bancos tradicionais desenvolvessem um modelo de negócio pouco orientado ao cliente e muito orientado ao produto.”

Imagem: Roland Berger/Divulgação

Open banking traz o empoderamento do cliente

O aspecto fundamental do open banking é a maior autonomia do cliente na escolha dos serviços e produtos bancários que consome, bem como de quem vai consumir. 

O compartilhamento obrigatório, pelas instituições financeiras, das informações bancárias de seus clientes e a implementação de uma camada de tecnologia padronizada, que irá simplificar a comunicação e a portabilidade de dados entre as instituições, resultará em redução de custos e maior acesso ao crédito para o consumidor.

LEIA TAMBÉM: O que esperar da indústria de pagamentos no Brasil em 2021, segundo dois especialistas

A premissa é simples: se o cliente tem mais autonomia e facilidade para migrar para outros serviços e produtos, a competição entre as instituições financeiras prestadoras de serviços para segurar o cliente aumenta – algo saudável para um setor conhecido por ser concentrado. 

Imagem: Roland Berger/Divulgação