Economia

PIB do Brasil cresce 4,6% em 2021 e recupera perdas da pandemia, mas o cenário futuro é nebuloso

Em 2021, a economia do Brasil recuperou-se do baque provocado pela pandemia de COVID-19, avançando 4,6% sobre o ano anterior – o maior crescimento anual em 11 anos, vindo logo depois da maior queda, de 3,9%, desde 1996. Os dados foram divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira (4). A combinação de inflação persistente, juros elevados e incertezas políticas – agora também no campo internacional, com a invasão da Ucrânia pela Rússia –, no entanto, tem feito a visão do mercado se distanciar cada vez mais da do governo brasileiro.

Antes do ano passado, o maior crescimento anual já registrado pelo IBGE tinha ocorrido em 2010, quando o país cresceu 7,5%. Os setores de serviços (com alta anual de 4,7%) e o comércio, apesar da alta de preços e da redução da renda do trabalhador, estão se recuperando, ainda que em um ritmo menor do que o previsto lá atrás. A indústria e agricultura (com recuo de 0,2%), por sua vez, patinam com a falta de componentes e a alta dos custos, respectivamente, entre outros fatores.

LEIA TAMBÉM: Análise: Parceiros econômicos da Rússia, incluindo o Brasil, buscam alternativas

De forma geral, a leitura de 2021 veio ligeiramente pior do que a projeção oficial do Ministério da Economia, de crescimento de 5,1%. Além disso, o PIB está apenas 0,5% acima do quarto trimestre de 2019, período pré-pandemia, e 2,8% abaixo do ponto mais alto na série histórica, no primeiro trimestre de 2014, segundo o IBGE.

Também nesta sexta-feira, o IBGE revisou números do primeiro e segundo trimestres de 2021: PIB brasileiro cresceu 1,4% entre janeiro e março (ante 1,3% de antes) e caiu 0,3% no segundo trimestre (ante -0,4% de antes). Na comparação com o quarto trimestre de 2020, o PIB teve expansão de 1,6%, ante expectativa de 1,1% nessa base de comparação.

Com um PIB nominal de US$ 1,608 trilhão no ano passado, o país não está mais entre as dez maiores economias do mundo, segundo a agência de classificação de crédito Austin Ratings.

LEIA TAMBÉM: O fantasma (histórico) da inflação volta para assombrar o crescimento da América Latina em 2022

A taxa básica de juros Selic saiu da mínima de 2% e está em 10,75%, em um ciclo de aperto monetária promovido pelo Banco Central para tentar domar a alta dos preços que deve ter continuidade neste mês, quanto o BC volta a se reunir.

Somam-se ao quadro a variante Ômicron do coronavírus, bem como incertezas em ano de eleição presidencial, que deixa a cena fiscal sob os holofotes. E desde a semana passada entraram ainda na lista de interrogações a invasão da Ucrânia pela Rússia e como isso irá afetar a inflação e o crescimento mundial.

De acordo com economistas, a guerra pode impor mais um vento contrário à economia do Brasil e da América Latina como um todo. O único contraponto seria o salto dos preços de algumas commodities exportadas pelo país e pela região.

Enquanto os países desenvolvidos têm estofo fiscal para adiar ao máximo a retirada das medidas de estímulo e colocar no eixo a relação demanda-oferta, os países emergentes são obrigados a aumentar as taxas de juros como forma mais rápida de frear a alta dos preços. Diante disso, a recuperação real, dizem os economistas, começará lentamente apenas em 2022 e (como sempre na América Latina) de maneira bastante desigual.

Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), da ONU, a América Latina enfrenta seu maior desafio fiscal desde a crise da dívida pública no início dos anos 1980, quando o PIB da região caiu -6,1%.

Para a Oxford Economics, o aperto fiscal e monetário que virá em 2022 já faz a América Latina olhar para a recuperação advinda simplesmente da reabertura da economia pelo retrovisor. E mesmo com o aperto esperado, a convergência para as metas de inflação será lenta devido à persistência da inflação importada.

A CEPAL prevê um crescimento do PIB de 0,5% para o Brasil em 2022, enquanto o FMI espera uma expansão de 0,3% e a Oxford Economics, estagnação.

Grandes instituições nacionais como o Itaú Unibanco estão muito menos otimistas. O Itaú-BBA, braço de pesquisa do maior banco do país, prevê queda de 0,5% no PIB deste ano.

Já a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia disse nesta sexta-feira que a normalização dos choques de oferta, o restabelecimento das cadeias produtivas, a melhoria do mercado de trabalho, a redução do risco hidrológico e a ampliação dos investimentos privados fundamentam uma estimativa de crescimento em 2022 superior ao projetado hoje pelo mercado. Até novembro do ano passado, a administração de Jair Bolsonaro apostava em um crescimento de 2,1% em 2022. Uma nova projeção deve sair neste mês.

This post was last modified on março 4, 2022 11:26 am

Reuters

Share
Published by
Reuters

Recent Posts

Crise política no Peru impacta economia em crescimento, mas não afeta mercado digital

Com formas de pagamentos flexíveis e a dinâmica do e-commerce, Peru viveu constante crescimento econômico…

fevereiro 7, 2023

Fundo do SoftBank perde US$ 5 bi com crise persistente de tecnologia

Segmento do Vision Fund perdeu dinheiro nos três meses encerrados em dezembro no quarto trimestre…

fevereiro 7, 2023

Busca ao fundador do projeto Terra, Do Kwon, leva autoridades sul-coreanas à Sérvia

A localização de Kwon tornou-se incerta depois que as autoridades emitiram um mandado de prisão…

fevereiro 7, 2023

Os 5 desafios mais importantes de startups em novo ano com capital escasso

A Bloomberg Línea conversou com especialistas e empresas inovadoras da Europa com presença na América…

fevereiro 7, 2023

Dell anuncia corte de mais de 6 mil empregos após queda nas vendas de PCs

A Dell (DELL) anunciou que vai demitir cerca de 6.650 empregos, ou 5% da força…

fevereiro 6, 2023

Novo Steve Jobs? Fraudes lembram os riscos de startups com jovens fundadores

Novamente, mais uma jovem fundadora da Geração Z de uma empresa de tecnologia foi acusada…

fevereiro 5, 2023