Experts

A urgência de adaptar a educação infantil às exigências do mercado de trabalho do futuro

Já imaginou matricular seus filhos em uma escola que vai além das disciplinas tradicionais, tais como português e ciências? Países como os Estados Unidos, Índia e Inglaterra encaram o ensino de programação com a mesma prioridade que vemos essas disciplinas, tornando o estudo da linguagem obrigatório desde cedo. Por meio da programação, é possível mesclar o aprendizado lúdico com o mundo prático. 

Um levantamento feito pela Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos EUA (US Bureau of Labor Statistics) prevê uma taxa de crescimento de empregos de 22% para desenvolvedores entre 2020 e 2030, muito mais rápido quando em comparação com a taxa de 4% para outras ocupações. Neste cenário questiono: “Será que o Brasil está preparado para esta nova era digital? E como a educação está formando pessoas preparadas para encarar essa nova realidade?”.

O ensino da programação tem ganhado espaço no Brasil e existem dois principais aspectos motivadores para que isso aconteça, o primeiro é o crescimento da tecnologia global, que é algo que se tornou a principal força disruptiva em toda a economia mundial. E, em seguida, temos o aumento do ensino superior e de base em áreas técnicas. No entanto, ainda pouco se fala do ensino na infância. A questão é que no Brasil, o movimento educacional em torno desse tipo de ensino ainda é visto como inacessível. Existe a oportunidade de um olhar mais atento das escolas e órgãos públicos de educação para as profissões do futuro.

LEIA TAMBÉM: A crise da educação no Brasil e o desafio da internet gratuita para todos

Segundo o LinkedIn, 9 a cada 15 novos empregos estão relacionados a tecnologia e de acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais (Brasscom), haverá um déficit de profissionais na área de TI no Brasil, que chegará aproximadamente à 795 mil vagas até 2025.

A revolução do “novo idioma”

Segundo Klauss Schwab, em 2014 foi iniciada a 4ª Revolução industrial – e consequentemente acelerada pela pandemia da Covid-19. Tem sido de tecnologias avançadas, como iOT, IA,  robótica, entre outras inovações que impactam diretamente os modelos de negócios, a vida de cada indivíduo e a economia mundial. 

No livro “O Futuro É Mais Rápido Do Que Você Imagina”, de Peter Diamandis, atualmente são mais de 20 bilhões de dispositivos conectados à internet, ou seja, cada vez mais as empresas estão se tornando tecnológicas e exigindo profissionais experientes em dados, programação, etc. Além de todo o cotidiano que vem se transformando de forma acelerada.

LEIA TAMBÉM: Há vagas em tecnologia, mas onde estão os candidatos? Apagão de mão de obra coloca em xeque expansão das startups no Brasil

Diversos países já notaram a importância do “novo idioma”, ou seja, o pré-requisito do ensino de programação para crianças e a incluíram em suas grades curriculares oficiais. Israel foi pioneiro a ensinar a disciplina nas escolas, que está na grade curricular desde os anos 1970. A Inglaterra foi o primeiro país Europeu a introduzi-la em 2015. Recentemente, em 2020, Singapura também tornou obrigatório o ensino dessa linguagem nas escolas. 

Os cursos devem ser adaptados para ensinar linguagens de codificação específicas às crianças. Um dos focos é respeitar o ritmo de aprendizagem de cada aluno. Isso inclui a atenção e orientação individualizada para que cada indivíduo se apaixone pelo aprendizado. 

Criar e desenvolver jogos e aplicativos auxiliam o pensamento criativo e melhoram as habilidades de resolução de problemas de maneira prazerosa. É um ensino recomendado a partir dos seis anos, idade em que as crianças são alfabetizadas. Se no futuro tudo vai ser codificado, é muito mais seguro estar entre aqueles que sabem programar. E, se aprender a programar é bom, aprender mais cedo é melhor ainda. Com a digitalização cada vez mais presente na educação, a infância é o momento perfeito para começar algo novo, e cabe aos adultos abastecer as crianças com habilidades “à prova de futuro”. 

This post was last modified on junho 3, 2022 3:06 pm

Roberto Moreno

BYJU'S Director of Education in Brazil. Executive and educator experienced in business management and educational innovation. He has an Executive MBA from IESE Business School - University of Navarra and a degree from Instituto Militar de Engenharia (IME), Rio de Janeiro.

Share
Published by
Roberto Moreno

Recent Posts

Crise política no Peru impacta economia em crescimento, mas não afeta mercado digital

Com formas de pagamentos flexíveis e a dinâmica do e-commerce, Peru viveu constante crescimento econômico…

fevereiro 7, 2023

Fundo do SoftBank perde US$ 5 bi com crise persistente de tecnologia

Segmento do Vision Fund perdeu dinheiro nos três meses encerrados em dezembro no quarto trimestre…

fevereiro 7, 2023

Busca ao fundador do projeto Terra, Do Kwon, leva autoridades sul-coreanas à Sérvia

A localização de Kwon tornou-se incerta depois que as autoridades emitiram um mandado de prisão…

fevereiro 7, 2023

Os 5 desafios mais importantes de startups em novo ano com capital escasso

A Bloomberg Línea conversou com especialistas e empresas inovadoras da Europa com presença na América…

fevereiro 7, 2023

Dell anuncia corte de mais de 6 mil empregos após queda nas vendas de PCs

A Dell (DELL) anunciou que vai demitir cerca de 6.650 empregos, ou 5% da força…

fevereiro 6, 2023

Novo Steve Jobs? Fraudes lembram os riscos de startups com jovens fundadores

Novamente, mais uma jovem fundadora da Geração Z de uma empresa de tecnologia foi acusada…

fevereiro 5, 2023