Experts

Estresse financeiro e tomada de decisões: essas duas coisas têm mais em comum do que você imagina

Apesar do tremendo crescimento econômico e dos avanços tecnológicos nos últimos anos, vivemos em uma época de grande volatilidade, quando nossas próprias situações financeiras pessoais são menos previsíveis do que nunca. Nos últimos dois anos, a pandemia global não apenas causou milhões de mortes, mas também forçou muitos outros milhões a deixar ou mudar de emprego. E como esses tipos de estresse afetam nossas decisões financeiras? Analisaremos de forma breve a seguir.

Tomar boas decisões financeiras nunca é uma tarefa fácil. Envolve considerar algumas coisas que são divertidas para nós a curto prazo, e outras que são boas para nós a longo prazo. Envolve lidar com questões complexas, como orçar os pagamentos de despesas ou a possibilidade de solicitar crédito. Em geral, essas não são coisas em que nós, como sociedade, nos destacamos, para dizer o mínimo. 

Mas tomar boas decisões fica ainda pior quando estamos estressados. Um estudo sobre este tema foi realizado na Índia. No estudo, pesquisadores analisaram os agricultores que colhem cana-de-açúcar. A cana-de-açúcar é uma cultura sazonal, e esses agricultores geralmente têm renda baixa e instável. Eles ganham dinheiro na época da colheita, quando podem vender a cana-de-açúcar. Mas, seis semanas antes da colheita, eles estão invariavelmente quebrados.

LEIA TAMBÉM: Startup de IA Fhinck cria solução para identificar risco de Burnout

Neste estudo em particular, os pesquisadores administraram um teste de QI a uma amostra de agricultores seis semanas antes da colheita e, novamente, logo após a colheita. Claro, este não era um teste de QI padrão, porque muitos desses indivíduos não sabiam ler ou escrever, então foram usados testes que envolviam imagens abstratas. No entanto, os resultados desse estudo sugerem que os agricultores tiveram pontuações de QI cerca de um terço mais baixas quando estavam em dificuldades financeiras antes da colheita, em comparação com após a colheita. 

O termo para esse fenômeno é chamado de “mentalidade de escassez”. A noção de mentalidade de escassez é que, para indivíduos que estão estressados financeiramente, parte de seus cérebros está continuamente ocupado tentando descobrir a incerteza da renda futura, bem como quando seus próximos pagamentos precisam ser feitos. E isso causa muito estresse e perguntas pouco claras. Por exemplo, uma pessoa pode se perguntar: Será que conseguirei arcar com minhas despesas? Eu deveria ter esperado para comprar aquele item? Tenho dinheiro suficiente para o almoço ou devo guardar esse dinheiro para a minha medicação? Vou conseguir pagar meu aluguel? E os meus empréstimos? E assim por diante… 

Todos esses pensamentos incertos tiram a capacidade mental de tomar boas decisões financeiras. O mesmo pode ser dito para pessoas que estão ocupadas fazendo várias tarefas enquanto estão no trabalho, por exemplo. Enquanto estiver cuidando dos filhos ou tentando consertar algo em casa, parte de sua mente estará ocupada com essas tarefas e, assim como no teste de QI, eles serão capazes de dedicar menos de sua capacidade mental total às tarefas relacionadas ao trabalho. Claro, isso não significa que a capacidade mental real das pessoas diminua. Em vez disso, quando estão estressadas, as pessoas têm menos recursos disponíveis para lidar com outras coisas importantes.

LEIA TAMBÉM: Boletos pagos e saúde mental: Origin recebe aporte de US$ 56 milhões e prepara chegada ao Brasil

Se você acha que isso é uma notícia triste, você está certo. Mas, a situação pode se agravar, infelizmente. Isso fica pior porque uma das principais coisas que as pessoas normalmente contam para se recuperar de situações estressantes é o apoio de sua rede social. ‘Resiliência’ é um termo usado para descrever como somos capazes de nos “recuperar” das dificuldades e superar os desafios da vida. Mas um aspecto crítico para vencer essas dificuldades é compartilhar nossos sentimentos e experiências com outras pessoas de confiança, a fim de obter simpatia genuína, apoio emocional e conselhos. Parece que, embora sejamos bons em compartilhar informações sobre nossa vida pessoal (por exemplo, reclamar de seu cônjuge), quando se trata de questões de dinheiro, compartilhar nossos estresses financeiros com nossa rede social é algo que a maioria de nós prefere evitar. 

Para destacar esse fenômeno, um artigo foi publicado certa vez em um jornal americano, afirmando que os homens americanos são muito mais propensos a admitir para seus amigos que usam Viagra do que admitir que estão com dívidas no cartão de crédito. Isso ocorre porque, em geral, tendemos a ver as dificuldades financeiras como falhas pessoais e, portanto, é menos provável que compartilhemos essas informações com pessoas próximas a nós. Como resultado, em muitos desses casos, não obteríamos o importante apoio social que, de outra forma, nos ajudaria a recuperar. 

Juntar esses dois fatores – mentalidade de escassez e falta de apoio social – sugere que, quando as pessoas passam por dificuldades financeiras, um ciclo vicioso pode se formar e, na verdade, espiralar para piorar. No início, a própria dificuldade financeira gera estresse que diminui a capacidade mental e prejudica a tomada de decisões. Essas más decisões podem, por sua vez, causar dificuldades adicionais, além das quais, a recuperação do estresse crescente será prejudicada sem o apoio de outros. 

LEIA TAMBÉM: Startup Yana leva apoio à saúde mental para 6 milhões de pessoas

A solução para evitar esse ciclo vicioso, certamente, não é fácil nem clara. No entanto, uma vez que entendemos a intensidade e a complexidade do problema, podemos começar a trabalhar para ajudar os outros (e a nós mesmos) na tentativa de corrigi-lo. Por exemplo, faria sentido que as pessoas se abstivessem de tomar decisões financeiras sérias enquanto estão se sentindo especialmente estressadas. Em vez disso, é aconselhável tentar adiar essas decisões (tanto quanto possível), até que elas se sintam mais calmas e relaxadas. Além disso, ter um apoio de confiança com quem se confia regularmente, como um amigo ou terapeuta, pode facilitar o compartilhamento de informações com essa pessoa quando surgem dificuldades específicas. 

Dificuldades financeiras são inevitáveis na vida, mas, ao compreender alguns dos fatores emocionais que podem afetar nosso comportamento em tais situações, mesmo pequenas intervenções podem nos ajudar a tomar decisões melhores e mais racionais. 

This post was last modified on março 27, 2022 5:15 pm

Dan Ariely

An Israeli-American professor and author dedicated to the study of behavioral economics. One of the world's leading authorities on the subject, he has written several bestsellers, including Predictably Irrational (2008) and The Pure Truth About Dishonesty (2012). He holds a degree in psychology, in which he holds a Ph.D., and also has a specialization in business administration.

Share
Published by
Dan Ariely

Recent Posts

Revolução Pix: colaboração entre Banco Central e mercado financeiro foi crucial para pensar, criar e implementar Pix no Brasil

Parte do sucesso do Pix tem suas bases no alinhamento entre os objetivos do Banco…

junho 28, 2022

Revolução Pix: como o método de pagamento instantâneo criado no Brasil colocou o país na vanguarda da indústria global de pagamentos

Liderada pelo Banco Central, a criação do Pix é um exemplo de como a inovação…

junho 20, 2022

Time to market: a arte de ligar os pontos

O Time to Market tem sido um grande aliado das startups para atrair investidores, mas…

junho 19, 2022

Appmax cresce sete vezes ajudando clientes a vencer fraudes e “burocracia digital”

Empresa fundada em 2018 pelos irmãos Betina e Marcos Wecker viu número de sites usando…

junho 19, 2022

Tangerino by Sólides: a experiência de vender um negócio

Como duas empresas irmãs, mineiras e comprometidas com inovação se uniram para mudar o cenário…

junho 16, 2022