Negócios

Marca de calçado dos “Faria Limers”, Yuool cresce no espaço deixado por gigantes

Criada por executivos do setor financeiro e de inovação ex-XP, a startup de calçados Yuool, já usada por muitos que pisam as calçadas e os halls dos prédios da Avenida Faria Lima, em São Paulo, está ampliando seu portfólio e preparando a entrada no mercado norte-americano.

A empresa faturou próximo de R$ 12 milhões em 2021 (70% acima do registrado no ano anterior) e quer dobrar esse resultado em 2022.

Eduardo Rocha, um dos sócios-fundadores da marca — ao lado de Pedro Englert, Mateus Schaumloffel e Eduardo Glitz —, diz que, diferentemente do que previam os executivos das marcas estrangeiras com quem ele conversou lá no início da empresa, os brasileiros foram atraídos pelo conforto e aparência dos calçados de lã merino, matéria-prima que faz sucesso em países de clima mais frio. 

Eduardo Rocha, um dos sócios-fundadores da Yuool. Foto: Marcelo Pereira/FOTOKA/Divulgação


“Vimos um movimento muito grande fora do Brasil, nos Estados Unidos e Europa, de calçados feitos de lã merino, e tentamos trazer esses players, que não aceitaram dizendo que o produto não venderia no Brasil. Tomamos esse desafio para nós, fizemos parceria com o setor calçadista e ficamos um ano desenvolvendo o produto”, conta o executivo. 

Quatro anos depois da prototipagem do primeiro calçado, a Yuool diz já ter vendido 100 mil pares.

LEIA TAMBÉM: Arezzo compra My Shoes e se une ao Mercado Livre para ampliar vendas

Rocha diz que uma das barreiras para fazer do calçado de lã merino um sucesso por aqui era o custo, mas que foi possível reduzi-lo com a eliminação de intermediários ao longo de toda a cadeia. Para reduzir o custo da operação, a Yuool internalizou o controle da matéria-prima e o desenvolvimento do produto, além de concentrar 90% das vendas no e-commerce próprio, onde a empresa detém os dados do cliente para aprimorar as estratégias de marketing.

“Se a gente fosse uma rede de varejo tradicional, teria que vender por R$ 800 no Brasil. Só que a gente acaba vendendo por R$ 450 porque não tem intermediários”, aponta o executivo. A internalização de todo o processo traz desafios para a Yuool, mas também permite atender nichos de mercado, difíceis de serem alcançados pelos grandes players. 

LEIA TAMBÉM: Shopee vê número de vendedores brasileiros em sua plataforma saltar 600% em 2021

Mas o que começou com a lã de merino agora já se estende para criações que usam também compostos de garrafas pet recicladas e algodão orgânico. As linhas Home e Fit, ambas novidades de 2021 e desenvolvidas com esses novos materiais, foram responsáveis por 43% e 22%, respectivamente. A escolha favorita dos compradores no ano que passou foi o Yuool Fit Nero, que representou 13,32% das vendas. 

Os gigantes dispõem de forças que tornam nosso trabalho cada vez mais difícil, principalmente o grande volume para preços competitivos. Por isso que a gente não batalha por preço, mas por entregar um produto realmente diferenciado

Eduardo Rocha, sócio-fundador da YUOOL.

Com isso, relata o executivo, a Yuool consegue conversar com outros públicos que orbitam esse mundo da inovação e ampliar a base de clientes para além dos colegas da Faria Lima.

Os calçados viraram um mimo comum que algumas das empresas da região passaram a dar a seus colaboradores. As vendas no atacado para corporações como Uber, XP, GBM, BTG, Inter e Manchester Investimentos representaram 10% dos ganhos da Yuool em 2021.

LEIA TAMBÉM: Insider, de roupas antivirais, levanta rodada de R$ 12 milhões com BTG

Neste ano, a Yuool pretende lançar novos produtos de moda e vestuário, deixando de ser uma marca especializada em calçados. “Vamos desenvolver novas frentes de produtos”, diz o executivo. A ideia é tornar-se uma grife especializada “na entrega de itens de conforto e qualidade ligados ao bem-estar”, completa. 

Outra iniciativa para 2022 é a expansão das fronteiras. A marca pretende fazer a ponte “Faria Lima-Vale do Silício” acontecer e deve começar a vender, já em março, seus produtos na Amazon americana. “Nosso objetivo é chegar aos norte-americanos porque acreditamos que nossos produtos conseguem competir com os deles”, avalia Rocha. 

Para isso, a empresa planeja investimentos que podem chegar a R$ 4,5 milhões, três vezes mais do que estava planejado inicialmente para 2022. A perspectiva é que um quarto disso seja direcionado para o mercado americano, mas Rocha afirma que o tamanho do aporte ainda não está fechado.

LEIA TAMBÉM: Amazon terá loja de roupas física com algoritmos sugerindo o que provar

No Brasil, a ideia é somar mais três ou quatro lojas físicas, incluindo a primeira no Rio de Janeiro, às três já existentes instaladas em São Paulo, Porto Alegre e Gramado. 

Com as novas empreitadas, além de dobrar a receita, Rocha espera que a empresa sustente o crescimento no mercado internacional, que em 2021 foi de 127% (alta também impulsionada pelo real desvalorizado), com vendas na Itália e Portugal. 

O desafio maior, diz ele, é seguir abraçando novos públicos, ampliando o leque de produtos e incomodando os grandes do setor. “As gigantes sabem da existência da Yuool, e, em alguns casos, não gostam disso. A gente precisa continuar se protegendo, e acreditando que nosso propósito é mais forte.”

This post was last modified on março 2, 2022 11:22 am

Raphael Coraccini

Journalist with a Masters in Social Sciences. He worked as a reporter for the CNN Brasil portal, especially for the Economics and Politics sections. He also wrote about investments and personal finance for UOL. At LABS, he covers business and innovation.

Share
Published by
Raphael Coraccini

Recent Posts

Revolução Pix: colaboração entre Banco Central e mercado financeiro foi crucial para pensar, criar e implementar Pix no Brasil

Parte do sucesso do Pix tem suas bases no alinhamento entre os objetivos do Banco…

junho 28, 2022

Revolução Pix: como o método de pagamento instantâneo criado no Brasil colocou o país na vanguarda da indústria global de pagamentos

Liderada pelo Banco Central, a criação do Pix é um exemplo de como a inovação…

junho 20, 2022

Time to market: a arte de ligar os pontos

O Time to Market tem sido um grande aliado das startups para atrair investidores, mas…

junho 19, 2022

Appmax cresce sete vezes ajudando clientes a vencer fraudes e “burocracia digital”

Empresa fundada em 2018 pelos irmãos Betina e Marcos Wecker viu número de sites usando…

junho 19, 2022

Tangerino by Sólides: a experiência de vender um negócio

Como duas empresas irmãs, mineiras e comprometidas com inovação se uniram para mudar o cenário…

junho 16, 2022