Negócios

Nubimetrics quer fechar 2022 com Brasil respondendo por mais da metade das suas receitas

Nascida há mais de uma década em San Salvador de Jujuy, na Argentina, a Nubimetrics chegou no Brasil em 2016, mas é nos últimos três anos que tem visto seu crescimento acelerar no país. Hoje, a maior economia da América Latina representa 40% das receitas da empresa e tem potencial para passar dos 50% ainda em 2022. Segundo a global chief revenue officer da empresa, Juliana Vital, novas fontes de dados — a startup já fechou acordos de confidencialidade com “vários” outros grandes operadores de e-commerce da região – e até mesmo uma rodada Série B devem ajudar a Nubimetrics a chegar lá.

Coletando dados do Mercado Livre — líder de comércio eletrônico na América Latina, respondendo por mais de metade do tráfego na região — e extraindo deles indicadores-chave de comportamento, a Nubimetrics ajuda vendedores independentes e grandes marcas a venderem mais e melhor na internet. “Mais da metade das vendas no e-commerce hoje acontece dentro do marketplace. Quando a marca entende o que acontece no marketplace, tem uma foto do que acontece no mercado em geral. Nenhuma ferramenta interna vai trazer a jornada inteira de venda para a marca, com a visão da concorrência, categoria e subcategorias, e em tempo real, como a Nubimetrics traz “, explica Vital.

LEIA TAMBÉM: Amazon: vendedores do Brasil podem vender para outros países

Se para os vendedores, a Nubimetrics oferta ferramentas que permitem conhecer a fundo a demanda do marketplace, com dados como palavras-chave e produtos mais buscados, categorias e subcategorias mais ou menos saturadas e até posição no ranking de vendas, para as marcas a startup traz uma visão sobre como os produtos estão sendo vendidos, quais vendedores estão tendo melhor performance e até mesmo ter uma ideia da projeção das vendas dentro de uma determinada categoria ou subcategoria para os próximos 12 meses.

Embora tenha nascido olhando para os merchants (como os vendedores online são chamados pelo setor), a startup descobriu nos fabricantes de diversos setores um mercado B2B que pode levá-la a outro nível de produção de inteligência de mercado. “Um [tipo de cliente] sustenta a proposta de valor do outro. Se não há vendedores movimentando o marketplace, não há dados [de leitura de mercado] para as marcas”. Sem revelar dados absolutos, a CRO da Nubimetrics diz que o número de marcas clientes cresceu 185% no ano passado quando comparado a 2020.

LEIA TAMBÉM: Nuvemshop investe R$ 30 milhões em nova unidade de negócios no Brasil

Além de Brasil e Argentina, Nubimetrics processa dados do MeLi em outros 16 mercados, incluindo EUA e China. “Na Argentina, onde a empresa nasceu, já lideramos o mercado há algum tempo. Depois de Brasil, o mercado mais importante para nós e que estamos olhando de perto é o México. É um país que se aproxima do Brasil em termos de variedade de marketplaces e crescimento do e-commerce. Mas a nossa prioridade continua sendo o Brasil. Tudo o que fazemos, criamos, tem que primeiro funcionar aqui.”

“A gente vem crescendo acima de 100% nos últimos três anos de maneira geral. Em 2021, o faturamento só no Brasil também mais do que dobrou”, complementou a executiva, que foi a primeira C-level a ser contratada no escritório brasileiro, no primeiro trimestre do ano passado. Hoje, outras quatro diretorias da Nubimetrics têm seus líderes globais trabalhando do país.

O quadro de funcionários no Brasil cresceu 114% entre 2020 e 2021, passando de 50 para 148 pessoas – e deve crescer ainda mais.

LEIA TAMBÉM: Shopee alcança mais de 2 milhões de vendedores no Brasil e reduz “perda por entrega” em 45% no 1º tri

O momento econômico complicado mundialmente, de inflação e juros em alta, não assusta a startup. “Notamos uma mudança de comportamento no e-commerce. Algumas categorias que estouraram entre 2020 e 2021 agora estabilizaram, enquanto outras, como alimentos, estão em franca expansão. As pessoas estão usando o e-commerce como forma de buscar melhores produtos e preços. Há muito oportunidade em categorias ainda não exploradas.”

A executiva disse que a Nubimetrics vem buscando investidores “importantes para o mercado de Saas” para a próxima rodada, uma Série B, que, apesar de todo o cenário mais cauteloso, pode sair ainda em 2022. “É uma rodada que vai nos acelerar de maneira global.”

O último aporte recebido pela startup, um aporte Série A de US$ 2,5 milhões liderado pelo fundo Uruguaio IC-Ventures, veio no fim de 2020. Na época, a Nubimetrics foi avaliada em cerca de US$ 12 milhões.

This post was last modified on junho 15, 2022 2:36 pm

Fabiane Ziolla Menezes

LABS Editor-in-chief Fabiane has more than 15 years of experience reporting on business, finance, innovation, and cities in Brazil. This last passion took her back to the classroom not long ago and made her a Master in Urban Management at PUCPR. At LABS, she tries to always keep on game-changing businesses and people driving these changes in Latin America.

Share
Published by
Fabiane Ziolla Menezes

Recent Posts

Revolução Pix: colaboração entre Banco Central e mercado financeiro foi crucial para pensar, criar e implementar Pix no Brasil

Parte do sucesso do Pix tem suas bases no alinhamento entre os objetivos do Banco…

junho 28, 2022

Revolução Pix: como o método de pagamento instantâneo criado no Brasil colocou o país na vanguarda da indústria global de pagamentos

Liderada pelo Banco Central, a criação do Pix é um exemplo de como a inovação…

junho 20, 2022

Time to market: a arte de ligar os pontos

O Time to Market tem sido um grande aliado das startups para atrair investidores, mas…

junho 19, 2022

Appmax cresce sete vezes ajudando clientes a vencer fraudes e “burocracia digital”

Empresa fundada em 2018 pelos irmãos Betina e Marcos Wecker viu número de sites usando…

junho 19, 2022

Tangerino by Sólides: a experiência de vender um negócio

Como duas empresas irmãs, mineiras e comprometidas com inovação se uniram para mudar o cenário…

junho 16, 2022