Fligoo inteligência artificial startup
Carlos Naupari, CEO da Fligoo no Brasil, e Priscilla Salles, vice-presidente de negócios no Brasil. Foto: Fligoo/Divulgação
Negócios

Com mais de 4 mil algoritmos, a Fligoo quer te conhecer melhor

Startup de inteligência artificial fundada por argentinos e sediada no Vale do Silício, Fligoo apostou no mercado brasileiro para iniciar expansão na América Latina

Imagine que um grande banco quer vender mais cartões de crédito. Para quem deve oferecer? O produto é atraente para toda a base de clientes? Por qual canal a oferta deve ser feita para maximizar a taxa de conversão de vendas? 

Conhecer o cliente e saber o caminho para chegar até ele é decisivo para qualquer segmento. Em um mundo em que os negócios estão cada vez mais digitais e orientados à jornada e à experiência do usuário, “conhecer o cliente” tem cada vez mais a ver com tecnologia, algoritmos e análise avançada de dados.

É esse mercado de crescimento exponencial que a Fligoo, startup de inteligência artificial fundada em Córdoba, na Argentina, mas sediada em São Francisco, no Vale do Silício, quer explorar também no Brasil. Segundo dados do relatório Distrito Dataminer 2021, a inteligência artificial é foco de atuação de 702 startups brasileiras, um segmento que atraiu US$ 365 milhões em investimentos só no ano passado. 

LEIA TAMBÉM: Investidores de risco despejaram US$ 4 bilhões em startups da América Latina em 2020

A sacada da Fligoo é sua tecnologia proprietária que já desenvolveu mais de 4.000 algoritmos para análise avançada de dados de outras empresas. “O core business da Fligoo é um framework de inteligência artificial. Em outras palavras: a gente providencia ferramentas para construção de algoritmos,” explica Carlos Naupari, CEO da Fligoo no Brasil. “Nosso trabalho é orientado a três propósitos: incrementar as vendas via personalização de ofertas; reter o cliente e otimizar processos,” completa. 

Carlos Naupari, CEO na Fligoo Brasil. Foto: Fligoo/Divulgação

Entre os clientes da Fligoo no Brasil, estão pesos-pesados como Itaú, B2W, grupo que controla marcas como Lojas Americanas e Submarino, e MAG Seguros, além de dois clientes confidenciais do setor bancário. Entre os clientes globais estão Coca-Cola e Mastercard

Cada cabeça, uma sentença” ou “Cada empresa, um algoritmo

Os algoritmos da Fligoo trabalham com a base de dados armazenados pelas empresas com o objetivo de prever o comportamento dos clientes e gerar inteligência para as companhias.

As soluções de análise preditiva possibilitam que as empresas conheçam melhor seus clientes e tenham insumos para planejar ações e ofertas mais assertivas. A palavra de ordem é a personalização fundamentada em inteligência artificial, big data e machine learning

LEIA TAMBÉM: Rival do TikTok, Kwai investe para viralizar na América Latina

Com o arsenal de algoritmos, a Fligoo tem três produtos em seu portfólio: uma solução que utiliza dados do cliente para gerar recomendações de produtos por canais múltiplos; uma solução que analisa o risco do cliente e recomenda ações de retenção; e uma solução de ponta a ponta para implementar um data lake interno.

Brasil foi mercado natural na estratégia de expansão da Fligoo

Fundada pelos argentinos Marcos Martínez, Lucas Olmedo e Juan Cruz Gárzon em 2013, a Fligoo logo desembarcou em São Francisco, no Vale do Silício, para tentar a sorte no polo tecnológico. Hoje, está instalada nos Estados Unidos, mas mantém uma base em Córdoba, sua cidade-natal. É em Córdoba que fica a Fligoo House, o hub de tecnologia onde a mágica dos algoritmos da startup acontece.

LEIA TAMBÉM: Banida em 2020, startup Picap ressurge com a Pibox, uma resposta colombiana para a Loggi

O desembarque no Brasil aconteceu há pouco mais de um ano, em janeiro de 2020, meses antes de a pandemia de COVID-19 alterar bruscamente a dinâmica dos negócios e acelerar a digitalização de milhares de serviços. 

Antes, a Fligoo prospectou outros países, como México, Espanha e Reino Unido. Em 2019, Naupari assumiu a expansão internacional da Fligoo e fez pelo menos doze viagens para o Brasil para estudar o mercado nacional; retornou cada vez mais convencido de que o país carecia de soluções voltadas à análise avançada de dados. A escolha pelo país resultou da combinação entre o perfil dos players brasileiros e o potencial de inovação a ser explorado. 

O Brasil foi o mercado natural da primeira fase de expansão. Vimos que o país tem muitos players grandes em três setores que nos interessam, o bancário, o de varejo e o de seguros. Além disso, a Fligoo tem uma vantagem competitiva pelo conhecimento adquirido durante os anos de operação nos Estados Unidos, um mercado mais avançado em inteligência artificial.

Carlos Naupari, ceo da fligoo no brasil

A Fligoo não revela seu faturamento. O que se sabe é que em setembro passado, recebeu um aporte de US$ 7 milhões, em rodada liderada por family offices americanas e brasileiras. Segundo Naupari, em 2020 a startup conseguiu dobrar o número global de clientes e crescer o faturamento em 75%.

LEIA TAMBÉM: Socialtech brasileira Ribon é reconhecida entre as mais inovadoras do mundo pela Fundação Bill e Melinda Gates

“2020 foi um ano espetacular para a Fligoo porque as empresas decidiram dobrar suas apostas em iniciativas digitais. A pandemia acelerou essa migração para o digital, o que levou a um interesse crescente e natural por análise de dados,” diz. 

O objetivo esse ano é repetir o feito e dobrar a base de clientes, geralmente empresas com faturamento acima um bilhão.

Keywords