Tembici capta R$ 420 milhões para acelerar nova linha de negócios focada em cicloentrega
Tomás Martins, CEO da Tembici, e Mauricio Villar, COO, ambos cofundadores da startup. Foto: Tembici/Divulgação
Negócios

Tembici capta R$ 420 milhões para acelerar nova linha de negócios focada em cicloentrega

Rodada Série C foi liderada pela Crescera Capital; capital será investido no aumento da frota e na consolidação das bicicletas elétricas com foco na cicloentrega

Read in english

A Tembici, startup brasileira de tecnologia para micromobilidade, anunciou nessa quinta-feira uma nova captação de US$ 80 milhões (cerca de R$ 420 milhões) em rodada liderada pela Crescera Capital, que também passa a fazer parte do board da startup. A Série C contou ainda com a participação da Pipo e da Endeavor Catalyst.

O investimento chega em uma fase de expansão da Tembici. Enquanto as rodadas anteriores foram importantes para a consolidação do produto e do modelo de negócio, essa nova captação será toda destinada para o crescimento da operação: aumento da frota, expansão para outras cidades e aceleração da nova linha de negócio da Tembici, focada na cicloentrega (ou entregas feitas de bicicleta). 

LEIA TAMBÉM: América Latina vai de 2 a 34 unicórnios em quatro anos, aponta Sling Hub

“Esse investimento acontece em um momento diferente para nós, é literalmente para continuarmos crescendo. Vamos ampliar os investimentos em tecnologia e dados, consolidar as bicicletas elétricas e o novo modelo de negócio focado na cicloentrega”, disse Tomás Martins, CEO e co-fundador da Tembici. 

O plano de expansão prevê o acréscimo de 10 mil novas bicicletas na frota até o fim do ano que vem e o início da operação em novas cidades, começando por Brasília, onde a Tembici estreia em outubro com 500 bikes e 70 estações. Atualmente, a startup opera 16 mil bikes no Brasil, na Argentina e no Chile; dessas, 1.000 são elétricas, as e-bikes, que atendem principalmente profissionais que trabalham para apps de entrega no Rio de Janeiro e em São Paulo. A ideia é que dessa nova frota, 5 mil sejam bicicletas elétricas

LEIA TAMBÉM: Como a mineira Obabox se reinventou com celular para idosos e robô aspirador de pó com nome de pet

A aposta alta nas e-bikes tem razão de ser. A startup acredita que o modal é o futuro da mobilidade em cidades mais inteligentes e sustentáveis, uma vez que facilita deslocamentos mais longos, exigindo menos esforço de quem pedala, e principalmente de quem pedala para trabalhar, como os cicloentregadores. Além disso, é um modal que gera economia, pois permite que as pessoas que antes combinavam diferentes meios de transporte em seus trajetos usem apenas a bike elétrica para se locomover.

A Tembici começou a operar com bicicletas elétricas em setembro do ano passado, apenas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. A adesão ao modal surpreendeu: só entre janeiro e agosto desse ano, o número de viagens com e-bikes cresceu 66%

Vimos do ano passado para cá um aumento expressivo do uso das bikes para cicloentrega. O mercado pede por soluções mais eficiente de mobilidade na cidade, nesse sentido a bike elétrica se mostrou um instrumento muito poderoso, principalmente para as soluções de logística.

Mauricio Villar, COO e co-fundador da Tembici

Em outubro do ano passado, a startup desenvolveu um projeto piloto em parceria com o iFood para oferecer aos cicloentregadores parceiros da food tech acesso às bicicletas elétricas por preços mais acessíveis. O projeto já tem mais de mil profissionais cadastrados e também receberá investimentos para crescer. 

LEIA TAMBÉM: Tembici fecha linha de crédito verde de R$ 29 milhões para ampliar oferta de bikes

“Além de oferecer um modal mais eficiente e sustentável para o cicloentregador, da bike elétrica disponível para o cicloentregador, o projeto contempla um pilar de educação e boas práticas de mobilidade urbana e um outro pilar de apoio aos entregadores, com estações espalhadas pela cidade onde eles podem descansar, carregar o celular, ir ao banheiro…”, conta Villar.

Agenda ESG

O investimento nas bicicletas elétricas está alinhado com um posicionamento cada vez mais forte da Tembici junto à agenda ESG. Recentemente, a startup contratou uma linha de crédito ESG de R$ 29 milhões, um tipo de empréstimo aprovado mediante evidências de compromissos sustentáveis da empresa. A linha de financiamento verde é estruturada pelo Santander e condiciona o desconto nos juros à comprovação, pela empresa, da melhoria de indicadores ESG pré-definidos.

LEIA TAMBÉM: Sócio da Redpoint eventures, Romero Rodrigues aponta ESG como maior tendência para 2021

Além disso, há três meses, a startup anunciou uma nova funcionalidade no app: os usuários que pedalam as bikes compartilhadas recebem informações sobre a quantidade de CO2 economizados ao finalizarem suas viagens, além do resumo de tempo e calorias gastas. As informações ficam registradas na conta do usuário. Somente em 2020, a Tembici registrou mais de 4 mil toneladas de CO2 economizados com pedaladas, que se fossem emitidos, seria necessário o plantio de aproximadamente 30 mil árvores.

Esse bom momento da Tembici se traduz nos números da empresa. No início de 2021, a startup anunciou ter atingido um faturamento de R$ 100 milhões em 2020, com um saldo superior a 30% no EBITDA e um crescimento de 300% na margem bruta. Para 2021, a empresa prevê um aumento de 60%, visando um faturamento de R$ 180 milhões.

Keywords