Negócios

Velvet muda modelo, mas não propósito: criar mercado secundário de stock options, agora como benefício corporativo

A Velvet, fintech fundada em setembro de 2021 como uma plataforma de compra e venda de “ativos ilíquidos” de venture capital (leia-se stock options de startups), relança nesta quinta-feira (5) sua marca e modelo de negócios. Se lá em fevereiro, quando levantou US$ 200 milhões bancar suas primeiras aquisições, os fundadores Edouard Montmort e Carlos Naupari queriam fazer isso conectando as ofertas das startups a bancos digitais, gestoras e family offices via API, a ideia agora é operar como um benefício corporativo.

Em meio à escassez de talentos e a mais recente disputa por profissionais de tecnologia entre mercados emergentes e desenvolvidos, a estratégia faz sentido. Por meio do Velvet 360º, a fintech quer oferecer a colaboradores e acionistas de startups de mercados emergentes (não só a América Latina, mas também Índia e Sudeste Asiático) um caminho alternativo e mais rápido para a liquidez.

A ideia é mais simples do que parece: permitir que empreendedores e investidores de capital de risco possam vender e comprar pedacinhos de ações que recebem ao investir ou trabalhar em uma startup por meio de uma plataforma de fracionamento desses ativos. Em outras palavras, receber um aporte de fundadores e outros empreendedores experimentados é ótimo, mas bom mesmo é poder negociar seu pedacinho de empresa antes do IPO, seja para abrir o seu próprio negócio ou simplesmente gerar liquidez para qualquer outro propósito.

LEIA TAMBÉM: SMU se prepara para lançar plataforma que cria mercado secundário de crowdfunding

Para o lançamento do Velvet 360º Program, a fintech já fechou acordos de ofertas secundárias recorrentes com cinco startups: Neon (Brasil), Lummo (Indonesia), Open (que virou o centésimo unicórnio da Índia nesta semana) e Credijusto (México). São todas empresas com as quais a Velvet já vinha falando desde o ano passado. “Conversamos ao todo com 27 fundadores, não só em LatAm mais Índia e Ásia. E eles olhos deles brilharam mesmo quando falamos da nossa estratégia como beneficio de RH, por isso resolvemos pivotar. Já estamos pensando em outros serviços que poderiam ser oferecidos ao redor disso [do programa]. Nesses últimos meses acabamos também validando que o nosso novo modelo de negócio é inédito entre mercados emergentes”, conta o co-CEO Carlos Naupari.

As startups-alvo da Velvet, porém, mudaram um pouquinho. E isso, segundo Naupari, também se deve ao momento de cautela que os ecossistemas emergentes estão vivendo agora — as demissões recentes em expoentes como QuintoAndar, Facily e Loft são apenas um sinal disso. “Temos inflação muito acima do esperado, guerra, corrida por talentos e algumas startups que estão sofrendo, pensando em fazer downround“, comenta o cofundador.

Se antes a régua da fintech estava posicionada em empresas com valor de mercado de, no mínimo, US$ 500 milhões e que receberam rodadas de grandes fundos locais e globais, agora startups de US$ 300 milhões já estão entrando no radar da Velvet. “Vimos que nesse estágio já há startups em um momento ideal para escalar e, consequentemente, para atrair profissionais, sócios qualificados”, detalha Naupari.

LEIA TAMBÉM: Marco Legal: Precisamos retomar a proposta das stock options para as startups no Brasil

As startups que escolhem oferecer o Velvet 360º Program determinam qual será a janela de liquidez recorrente. O mínimo para oferecer o benefício é dois anos, o máximo quatro anos. “A empresa também é quem determina quem são os colaboradores investidores elegíveis para participar da janela. Exemplo: funcionários com mais de três anos de casa poderão liquidar até 10% das suas opções ou ações em um período de dois anos, por meio de ofertas semestrais.”

A expectativa da Velvet é movimentar, nos próximos 12 meses, os US$ 200 milhões levantados (cerca de R$ 1 bilhão) em fevereiro com a Yolo Investments, além de family offices da Suíça e dos Estados Unidos. A fintech vem fechando compromissos de compra de US$ 15 milhões a US$ 30 milhões com cada empresa.

Ainda em 2022, a Velvet quer agregar outros produtos ao programa: empréstimos com vested options como garantia e financiamento de strike price acquisition para facilitar o processo de exercício de opções. “Vemos que uma grande parte dos options holders não tem a liquidez para exercer a compra das opções e muitas vezes acabam as abandonando quando saem das empresas. Existem hoje dezenas de milhões de dólares que voltam para a tesouraria das startups pelo não exercício das opções pelos seus holders — isso é uma verdadeira dor do ecossistema que vamos resolver”, disse Montmort em comunicado.

No futuro, a Velvet também imagina que poderá se tornar a wallet dos colaboradores que estão recebendo liquidez através do programa. Isso quer dizer que eles poderão usar essa liquidez para também diversificar seus portfólios, comprando opções outras empresas via Velvet.

Por ora, a única rodada de equity (investimento em troca de participação societária) levantada pela Velvet foi um aporte seed de US$ 3 milhões liderado pela Global Founders Capital e anunciado no fim do ano passado. É mais do que esperado que as startups dos 16 fundadores que acompanharam essa rodada — Nubank, Hashdex, Nomad e Favo, são algumas delas — virem, em algum momento, clientes da Velvet.

This post was last modified on maio 6, 2022 4:50 pm

Fabiane Ziolla Menezes

LABS Editor-in-chief Fabiane has more than 15 years of experience reporting on business, finance, innovation, and cities in Brazil. This last passion took her back to the classroom not long ago and made her a Master in Urban Management at PUCPR. At LABS, she tries to always keep on game-changing businesses and people driving these changes in Latin America.

Share
Published by
Fabiane Ziolla Menezes

Recent Posts

Revolução Pix: colaboração entre Banco Central e mercado financeiro foi crucial para pensar, criar e implementar Pix no Brasil

Parte do sucesso do Pix tem suas bases no alinhamento entre os objetivos do Banco…

junho 28, 2022

Revolução Pix: como o método de pagamento instantâneo criado no Brasil colocou o país na vanguarda da indústria global de pagamentos

Liderada pelo Banco Central, a criação do Pix é um exemplo de como a inovação…

junho 20, 2022

Time to market: a arte de ligar os pontos

O Time to Market tem sido um grande aliado das startups para atrair investidores, mas…

junho 19, 2022

Appmax cresce sete vezes ajudando clientes a vencer fraudes e “burocracia digital”

Empresa fundada em 2018 pelos irmãos Betina e Marcos Wecker viu número de sites usando…

junho 19, 2022

Tangerino by Sólides: a experiência de vender um negócio

Como duas empresas irmãs, mineiras e comprometidas com inovação se uniram para mudar o cenário…

junho 16, 2022