Na foto (da esquerda para a direita) Robson Ventura, CTO; Mariana Dias, CEO; Bruna Guimarães, COO e Guilherme Dias, CMO, posam juntos no antigo escritório físico da startup de recrutamento e seleção Gupy. Foto: Divulgação.
Tecnologia

Com trabalho remoto, HRtechs protagonizam transformação digital dos recursos humanos

Plataformas de recrutamento e seleção como Gupy e Revelo lançaram novos serviços durante a pandemia para dar conta de uma gestão de pessoas cada vez mais digital

Read in english

De um lado, contratos de trabalho remoto são alavancados pelas medidas de isolamento social. Do outro, as chamadas HRTechs, ao aliar tecnologia à área de recursos humanos, estão com a faca e o queijo na mão. 

Os modelos remotos de trabalho como o home-office, regulamentado no Brasil em 2017, já vinham encontrando nas HRTechs, soluções para acelerar a transformação digital de um departamento chave para o sucesso dos negócios. Mas com a pandemia, esse movimento ganhou outro ritmo.

Logo no início das medidas de distanciamento, a startup de recrutamento e seleção Revelo, por exemplo, lançou a ferramenta Revelo Remoto e viu mais de 95% das contratações e entrevistas aconteceram de maneira não presencial, uma demanda que vinha tanto de clientes, quanto de candidatos. “Entendemos esse movimento como uma tendência que veio para ficar e que é prioridade para quem está buscando uma nova carreira,” diz Lachlan de Crespigny, cofundador da Revelo.

Maior HRtech da América Latina segundo a empresa, a Revelo conecta candidatos a vagas em sua plataforma de recrutamento e seleção e hoje tem na carteira mais de 14 mil clientes entre nomes como Mercado Livre, XP Inc e B2W Digital. A startup acumulou rodadas que, em 2019, chegaram a mais de R$90 milhões, marco que fez da Revelo a empresa mais investida do setor no Brasil. 

Lançado no início da pandemia no Brasil, em março, o Revelo Remoto é a ferramenta da startup que permite a realização de processos seletivos de forma 100% online. De entrevistas iniciais até o envio de proposta final com opção de vídeo-entrevista integradas, a plataforma dispensa a necessidade de infraestrutura externa. Na foto, Lachlan de Crespigny, cofundador da Revelo (Divulgação). 

O crescimento da Revelo acompanha o ritmo acelerado do setor de startups de recursos humanos no mundo.  O investimento global nas chamadas HRTechs cresceu 75% entre 2017 e 2018, conforme levantamento da empresa americana de pesquisas CB Insights. US$ 16 bilhões foram injetados em 2.918 negócios na área desde 2019. 

LEIA TAMBÉM: Microsoft e LinkedIn firmam parceria para ajudar profissionais brasileiros

Quem também surfou essa onda foi a Gupy. Em abril, a startup brasileira de recrutamento e seleção recebeu um aporte de R$40 milhões da também brasileira Oria Capital, para alavancar o crescimento da operação e otimizar sua tecnologia de processos seletivos totalmente digitais. Com um portfólio que atende empresas como Via Varejo, Renner, Ambev e Grupo Pão de Açúcar (GPA), a Gupy lançou, no início de agosto, o Gupy Admissão

Conseguimos oferecer, em média, uma redução de 50% do tempo de abertura e fechamento de uma vaga, 80% de redução no esforço operacional, além de melhorar o turnover, promovendo sempre a conexão da pessoa certa com a vaga. 

Guilherme Dias, CMO e cofundador da Gupy

Para diminuir o turnover – ou rotatividade de funcionários –, a Gupy aposta em inteligência artificial criada dentro de casa. À medida que candidatos se aplicam à vaga, a Gaia [inteligência artificial da startup] os ordena de acordo com afinidades em comum com as da empresa. De acordo com a Gupy, mais de 60% dos contratados com a ferramenta estavam nas 10 primeiras posições ordenadas pela Gaia.

Desde a criação, em 2015, a solução da startup já analisou mais de 15 milhões de currículos e concluiu mais de 20 mil vagas de emprego em diferentes indústrias.

“Lançamos o produto de admissão, que torna o processo de recrutamento, seleção e admissão totalmente online, e só no primeiro semestre aumentamos a nossa base de clientes em 150% [ano a ano], enquanto o número de contratações pela plataforma quintuplicou,” revela ao LABS Guilherme Dias, CMO e cofundador da startup. Só em junho, a Gupy registrou 20 mil contratações dentro do sistema.

“Todo o nosso time está em home-office até 2021, mas estamos com mais de 30 vagas abertas. Demos um auxílio de R$ 1.200 para todos os funcionários a fim de equipar os escritórios para o home-office e estamos tentando manter o time unido, mesmo à distância,” conta o CMO da Gupy, Guilherme Dias. Na foto (da esquerda para a direita) Robson Ventura, CTO; Mariana Dias, CEO; Bruna Guimarães, COO e Guilherme Dias, CMO, posam juntos no antigo escritório físico da startup. Foto: Divulgação.

LEIA TAMBÉM: Pandemia acelera digitalização do mercado imobiliário latino-americano

Dias revela que, mesmo antes da pandemia, a HRTech já estava se preparando para o lançamento do Gupy Admissão, dada a grande procura por uma ferramenta que automatizasse a etapa. “Quando chegamos ao processo de admissão, que ainda hoje envolve muita troca de papéis, nesse momento de pandemia em que muitas empresas adotaram o regime de home-office, vimos que era a hora de lançar o produto”, diz. 

Com a solução, o novo funcionário pode fotografar e enviar todos os documentos do processo sem sair de casa. Pela plataforma, a empresa acompanha o processo e já valida a documentação, que é enviada automaticamente para os órgãos responsáveis. 

“A assinatura do contrato também é feita de forma remota, por meio de uma integração com o ClickSign,” complementa o executivo. “Este ano, queremos aprender muito sobre como os dois produtos trabalham juntos. Com o lançamento, esperamos pelo menos triplicar nossa receita em 2020.”

Mesmo nesse momento em que muitas empresas já retornaram, aqui na Gupy a gente viu que outras também mantiveram a mesma postura de manter o time todo em segurança e no home-office. Vimos que essa demanda aumentou muito na nossa plataforma e os candidatos têm gostado desse formato.

Guilherme Dias, CMO e cofundador da Gupy

Revelo, Gupy e outras empresas de recrutamento e seleção fazem parte de uma categoria que já corresponde a 28,2% do total de HRTechs no Brasil, segundo relatório da plataforma de inovação Distrito. O estudo, que mapeou 373 startups do setor em 2020, divide as empresas em seis categorias: Desenvolvimento e Gerenciamento de talentos (160 startups); Recrutamento e seleção (105); HR Core – que abriga startups de serviços como remuneração e benefícios, soluções integradas e gestão de ponto eletrônico (95); Operações (Office Services – 7); HRMS (Human Resource Management System – 5) e Offboarding (1). O setor é recente no país: 85,2% das HRTechs surgiram nos últimos 9 anos. 

Pensamos em uma solução que oferecesse a contratação remota de ponta a ponta, para qualquer lugar do mundo. Com o Revelo Remoto, as empresas chegam a economizar mais de R$9 mil com ferramentas de contratação e o processo seletivo pode ser até seis vezes mais rápido.

Lachlan de Crespigny, cofundador da Revelo

“As mudanças no universo do trabalho já estavam sendo discutidas em um cenário de pré-pandemia,” pondera o executivo da Revelo. Para ele, tudo foi acelerado para a transição de uma rotina de trabalho remoto. “Entendo que essa tendência permanecerá, não somente no Brasil, mas em todo mundo. Caso não seja completamente home-office, também será adotado o formato híbrido.” 

Crespigny revela que após o boom das contratações à distância, em fevereiro e março, 60% das admissões hoje seguem no mesmo formato. “As posições remotas não param de surgir,” conta. 

Dias, da Gupy, conta que o recrutamento e seleção por meio de inteligência artificial, que já estava em crescimento antes da pandemia, deu um salto. “Depois disso, sabemos que até as empresas mais conservadoras estão enxergando a importância de ter uma ferramenta mais assertiva que te mostra os profissionais mais qualificados para as vagas abertas.” 

Keywords