Economia

Transações do Pix começarão com limite, diz Valor Econômico

O limite das transações será o que o cliente tem hoje para pagamentos com débito

Foto: Banco Central/Divulgação
Read in english
  • Do lançamento até o final de fevereiro, o débito será a referência para transações de diferentes participações feitas com QR Code;
  • A partir de março do próximo ano, haverá um afrouxamento e algumas transações na Pix podem ser feitas com o limite de transações do cliente.

As transações no Pix, o sistema de pagamento instantâneo do Banco Central, serão limitadas em valor dependendo da titularidade e do horário, por motivos de segurança. De acordo com dados do Banco Central obtidos pelo Valor Econômico, o limite da maioria das transações será o que o cliente tem hoje para pagamentos com débito.

Desde o lançamento do Pix até final de fevereiro, o débito será a referência para as transações de diferentes titularidades feitas com QR Code ou chave PIX sem pré-cadastro em dias e horários úteis, e também para pagamentos feitos durante a noite, e nos finais de semana e feriados.

LEIA TAMBÉM: PIX começará em novembro com QR Code e transferências

As operações de mesma titularidade efetuadas até às 20h dos dias úteis, ou com titularidade diferente feitas online, ou com chave pré-registada ou cujos dados sejam colocados manualmente, terão um limite equivalente a 50% do máximo quantidade de transações autorizadas para aquele cliente.

LEIA TAMBÉM: Nubank não vai cobrar transações pelo PIX de seus clientes pessoa jurídica

A partir de março do próximo ano, haverá um afrouxamento nessas regras e algumas transações no Pix poderão ser feitas com o limite de transações do cliente.