Negócios

HolonIQ: as brasileiras entre as 100 edtechs mais promissoras da América Latina

Segundo a plataforma, no primeiro semestre de 2021, fundos de capital de risco despejaram US$ 299 milhões nessas empresas na América Latina e no Caribe

Startups Brasil
Foto: Shutterstock
Read in englishLeer en español

Empresa de inteligência de mercado que monitora os mercados globais de educação e edtech, a HolonIQ acaba de publicar sua lista anual das 100 edtechs mais promissoras da América Latina e do Caribe. Elas foram selecionadas a partir de uma lista de mais de 2 mil mapeadas na região.

A plataforma analisou critérios como capital (a saúde financeira da startup e sua capacidade de atrair/garantir recursos para crescer), equipe (experiência e diversidade), mercado (a atratividade relativa da startup dentro de sua área de atividade), produto (qualidade e exclusividade) e momentum (a trajetória da startup quando se trata de tamanho, velocidade e impacto até aqui).

Segundo a HolonIQ, no primeiro semestre de 2021, fundos e empresas de capital de risco despejaram US$ 299 milhões nessas empresas, e elas estão a caminho de atingir US$ 1 bilhão em investimentos desde 2010.

Nos últimos dois anos, lembra a plataforma, houve doze rodadas de mais de US$ 5 milhões levantadas por edtechs na lista da HolonIQ, incluindo a Série B recorde da plataforma de aprendizagem online peruana Crehana, o último aporte da brasileira Descomplica, liderado pelo SoftBank, e também a última rodada divulgada pela argentina Digital House.

LEIA TAMBÉM: A hora e a vez das edtechs: como startups de educação podem ajudar a recuperação econômica pós-pandemia

O país com mais sedes de edtechs na lista da HolonIQ é o Brasil (39), seguido por México, Argentina e Colômbia. A lista da HolonIQ deste ano também incluiu, pela primeira vez, plataformas da Guatemala, Venezuela, Equador, Costa Rica e Jamaica.

Pouco mais de um terço das startups selecionadas têm menos de cinco anos de fundação — 12% delas começaram entre 2019 e 2020. A pandemia de COVID-19 foi, definitivamente, um momento divisor de águas para o segmento.

Na região como um todo, os investimentos em edtechs aumentaram 146% em 2020, de acordo com relatório da Associação para Investimentos de Capital Privado na América Latina (LAVCA) publicado em março.

LEIA TAMBÉM: Educação e serviços financeiros são as áreas-alvo do Zoom na América Latina

Dentre as atividades mais realizadas pelas startups selecionadas pela HolonIQ estão treinamento de funcionários e gestão de sistemas de educação, as duas áreas respondendo por quase metade das edtechs na lista.

A lista de 2021 é a segunda feita pela HolonIQ (a primeira foi lançada em junho do ano passado). Para se qualificar, as startups precisam estar sediadas ou co-sediadas na América Latina e no Caribe ou estarem predominantemente focadas na região, com 80% de suas receitas/clientes provenientes da América Latina.

Confira, abaixo, a lista das 39 edtechs com sede no Brasil que estão entre as 100 mais promissoras, segundo a HolonIQ:

Aprendizagem de idiomas

Conteúdo digital

Ensino online

Gestão de sistemas

Tutoriais e testes

Treinamento de colaboradores/habilidades

STEAM (sigla em inglês para auto-motivação, pensamento, energização, aventura e realização)