Negócios

Dafiti, a fashion e-commerce latino americana, cresce 31% em 2020 na contramão do setor

Os números vão na contramão do setor brasileiro de tecidos, vestuário e calçados, que segundo o IBGE decresceu mais de 20% no último ano e mostram a força do e-commerce

Foto: Rafael Roncato/Dafiti/Divulgação
Read in english

A Dafiti, gigante brasileira do comércio de moda online, alcançou faturamento de R$ 3,4 bilhões em 2020, um crescimento de 31% comparado ao faturamento de 2019.

A base de clientes da Dafiti também cresceu. Considerando apenas o quarto trimestre, o crescimento foi superior a 30% – a plataforma chegou a 7,7 milhões de clientes ativos nos últimos três meses do ano. 

LEIA TAMBÉM: Educação e serviços financeiros são as áreas-alvo do Zoom na América Latina

O crescimento foi, em parte, impulsionado pelo marketplace da Dafiti, plataforma que reúne itens de moda, esportes, calçados e artigos para casa de mais de 5.000 marcas. O marketplace responde hoje por 32% das vendas do Global Fashion Group, proprietário da Dafiti.

Além disso, a fashiontech também destaca o Dafiti Prime, serviço de assinatura anual que oferece benefícios exclusivos como frete gratis, entregas mais rápidas e coleta na casa do cliente em casos de trocas. 

LEIA TAMBÉM: Economia do Brasil tem maior contração em 2020 desde 1996 sob impacto do coronavírus

Os números vão na contramão do setor brasileiro de tecidos, vestuário e calçados, que segundo o IBGE decresceu mais de 20% no último ano. O resultado também mostra como 2020 foi um bom ano para o e-commerce por causa da pandemia de COVID-19 – como temos visto pelos resultados alcançados por empresas do setor ou mesmo pelo bom desempenho de empresas que até então tinham pouca presença online.

Investimento em logística é meta para 2021

Em fevereiro, a Dafiti inaugurou seu maior centro de distribuição na América Latina, enquanto busca capitalizar a migração das vendas para a internet após a pandemia de COVID-19 para reduzir prazos de entrega e ampliar sua fatia de mercado.

Com uma área de 54 mil metros quadrados e um investimento de R$ 320 milhões, o centro tem um sistema de automação controlado por inteligência artificial que conta com 300 robôs e tem capacidade para a separação de 5.000 produtos por hora, o que reduz o tempo de separação dos produtos de 24 para duas horas.