Negócios

Fintech brasileira Cora recebe aporte de R$150 milhões da Ribbit Capital

A Cora pretende usar os recursos para contratações, ampliação da oferta de crédito e da base de clientes

Igor Senra, CEO e co-fundador da Cora. Foto: Cora/Divulgação
Read in english
  • A fintech oferece conta digital, cartão de débito Visa, PIX sem taxas e ferramentas de gestão para pequenas e médias empresas;
  • No fim de 2019, a Cora já havia recebido um aporte de US$ 10 milhões liderado pela Kaszek, junto com a Ribbit.

A fintech especializada em pequenas e médias empresas Cora anunciou nesta segunda-feira que recebeu aporte de cerca de R$ 150 milhões liderada pelo fundo norte-americano Ribbit Capital e que inclui Kaszek, QED Investors e Greenoaks Capital.

A fintech oferece conta digital, cartão de débito Visa, PIX sem taxas e ferramentas de gestão. A empresa afirma ter cerca de 60 mil clientes.

Os co-fundadores da empresa, Igor Senra e Leonardo Mendes, lançaram a Cora em 2020 com uma missão nada simples: ser “o banco dos pequenos negócios”.

As pequenas empresas ganharam a atenção dos dois empreendedores quando foram fundadores da empresa de pagamentos Moip.

“Quando a gente fundou o Moip não tínhamos nenhuma pretensão de dizer que a empresa iria mudar o mundo. A gente queria copiar o PayPal. Foi trabalhando no Moip que a gente foi construindo (o negócio) com o pequeno empreendedor e descobrimos o quanto ele é importante para a economia. Foi um momento ‘eureka’ quando percebemos que não estávamos lá para copiar o PayPal e sim por conta do pequeno empreendedor, a gente tinha várias histórias de sucesso”, relembrou Senra, em entrevista ao LABS no ano passado.  

A Moip acabou sendo vendida em 2016 para a Wirecard alemã, e hoje pertence à PagSeguro.

LEIA TAMBÉM: Fundadores da Cora querem surfar onda de novas regulações do BC para crescer

O pontapé inicial da Cora foi dado em dezembro de 2019, quando a recém-criada startup levantou US$ 10 milhões em uma rodada Seed da Kaszek Ventures e Ribbit Capital. Se para muitas empresas a pandemia do coronavírus foi o momento de repensar o negócio, a Cora já nasceu com o DNA de startups que desafiam a crise. A fintech atuava em versão beta fechada até o início da pandemia. A operação para valer começou em maio, quando o Brasil registrava 500 mil pessoas infectadas e rígidas medidas de isolamento e trabalho remoto. 

LEIA TAMBÉM: Banco Central propõe regulação mais dura para serviços de pagamento

Agora, o aporte permitirá à Cora ampliar sua equipe de funcionários, de 110 para 230, em 2021, além de deslanchar oferta de crédito, dentro do plano de ampliar sua base de clientes para 380 mil até o fim deste ano.