Negócios

Piora do cenário econômico pode induzir consolidação em fintechs no Brasil, diz Fitch

A deterioração acentuada das condições macroeconômicas pode levar a uma consolidação no mercado brasileiro de plataformas digitais de serviços financeiros, afirmou nesta sexta-feira em relatório a agência de classificação de risco Fitch.

Citando fatores como o ciclo de alta dos juros no país e a menor disposição de investidores de venture capital de seguir aportando recursos em negócios num ambiente econômico mais hostil globalmente, a Fitch citou que o foco do setor deve mudar de crescimento da base para busca de receitas.

“As fintechs que dependem de mais capital devem ser desafiadas no atual cenário, dada a redução de apetite do investidor”, considerou a agência, frisando que repassar custos de financiamento maiores para os clientes pode ser um desafio, dadas as estratégias das fintechs orientadas por preço e o compromisso relativamente fraco dos clientes com suas franquias.

LEIA TAMBÉM: Proptechs desbancam fintechs e lideram investimentos na América Latina em maio

Além disso, os altos custos de aquisição de clientes também limitarão os gastos de marketing, fundamentais para os objetivos de expansão acelerada da base, diz o relatório.

“Isso tem o potencial de mudar a indústria para ser mais orientada para a retenção de clientes, com base em vendas cruzadas”, afirmou a Fitch, adicionando que fintechs com negócio mais desenvolvido e que já abordaram aspectos de capital provavelmente manterão o ritmo de crescimento, aumentando a participação de mercado ou comprando rivais menores.

Após quase uma década de ascensão acelerada no país, apoiada em arcabouço regulatório mais flexível do Banco Central e grandes volumes de investimentos do exterior, bancos e carteiras digitais como Nubank, PicPay e outros formaram bases de dezenas de milhões de clientes, criando plataformas muito mais baratas do que as dos tradicionais bancos de varejo.

LEIA TAMBÉM: Interesse nos FIDCs se renova como opção de captação de investimentos entre fintechs

E a pandemia do Covid-19, o PIX e o open banking aceleraram a migração dos clientes bancários para serviços online. O PIX, lançado pelo Banco Central em 2020, permitiu que mais de 50 milhões de pessoas fizessem sua primeira transferência bancária. No fim de março, havia 124 milhões de usuários do PIX, com transações de cerca de 780 bilhões de reais mensais.

“Mas a piora do mercado nos últimos meses, combinada com o aumento dos juros, pode desafiar a postura de financiamento e liquidez das fintechs, especialmente para aquelas que dependem de produtos de financiamento estruturado e de investidores institucionais por limitações regulatórias”, diz o relatório.

This post was last modified on junho 17, 2022 4:34 pm

Reuters

Share
Published by
Reuters

Recent Posts

XP lança conta digital com cartão de débito, PIX e saque

Conta digital da XP estará disponível para toda a base de clientes da plataforma de…

junho 20, 2022

Após aquisição pelo Nubank, fintech Olivia vai encerrar operações

Startup de IA e organização financeira deixará de funcionar em 15 de julho; infraestrutura e…

junho 17, 2022

Rappi consegue autorização para operar como banco digital na Colômbia

O Rappi agora oferecerá produtos de depósito e poupança via RappiPay, por meio de uma…

junho 17, 2022

Shopee anuncia demissões na América Latina

Fenômeno do e-commerce sul-asiático que tem forte presença no Brasil anunciou cortes no México, Argentina…

junho 17, 2022

Prime Day no Brasil reforça compromisso de longo prazo da Amazon com país, diz diretor

A Amazon anunciou em abril a expansão de entregas de produtos no prazo de um…

junho 16, 2022

Colombiana Habi levanta US$ 75 milhões em linhas de crédito um mês após Série C de US$ 200 milhões

As linhas de crédito serão utilizadas para expandir a capacidade da Habi de oferecer serviços…

junho 15, 2022