Negócios

Redpoint eventures lidera investimento de R$ 28 milhões na CyberLabs AI

A startup visa ampliar esforços em pesquisa e desenvolvimento de IA para auxiliar na reabertura da economia brasileira

Equipe da CyberLabs AI. Foto: CyberLabs AI website
Read in english
  • A CyberLabs quer levar serviços digitais a 200 milhões de brasileiros;
  • Ela desenvolve IA e implanta MLaaS (Machine Learning as a Service) e software de visão computacional, aplicativos móveis e soluções de tecnologia para empresas e agências governamentais.

A CyberLabs, uma startup brasileira de inteligência artificial (IA), anunciou que recebeu uma rodada de investimento no valor de R$ 28 milhões, liderada pela Redpoint eventures. Com o investimento, a empresa pretende ampliar os esforços em pesquisa e desenvolvimento de IA para auxiliar na reabertura da economia brasileira.

O fundador e CEO da CyberLabs, Marcelo Sales, disse que a IA desenvolvida durante o teste piloto da startup ajudou a achatar a curva de contágio de COVID-19 na cidade do Rio de Janeiro, reduzindo proativamente os riscos à saúde pública, combinando tecnologias avançadas, como imagem computacional e análise de machine learning de streams de vídeo ao vivo, disponíveis na rede pública de segurança e originalmente criadas para as Olimpíadas do Rio. “Os vastos dados que coletamos e distribuímos, por meio de dezenas de reportagens na mídia, fizeram uma grande diferença e informam nossas novas ofertas.”

LEIA TAMBÉM: Impulsionadas pela pandemia, techs da América Latina começam a deixar commodities no retrovisor

A startup também criou o aplicativo KeyApp, disponível para iOS e Android. Trata-se de uma tecnologia de reconhecimento facial proprietária da CyberLabs para controle de acesso sem contato físico e reconhecimento  de identidade, permitindo que funcionários, residentes, viajantes e entregadores consigam entrar em espaços públicos, edifícios de escritórios ou condomínios, abrindo portas e liberando catracas. O aplicativo também lê QR codes para realizar check-ins e check-outs em espaços privados, possibilitando, entre outras coisas, acompanhar a limpeza dos mesmos após cada uso, de acordo com a empresa.

LEIA TAMBÉM: DHL Express inicia projeto para levar e-commerce até lockers no Rio de Janeiro

Nos próximos meses, a CyberLabs vai apresentar uma maneira mais sofisticada para as empresas fornecerem acesso seguro e protegido a prédios de escritórios e espaços públicos, combinando tablets equipados com câmeras térmicas para medir a temperatura, além do KeyApp para validar a identidade dos usuários, fornecendo acesso sem contato por meio da sua tecnologia de reconhecimento facial. “A única no mundo capaz de se adaptar à ampla diversidade racial presente no Brasil”, diz a CyberLabs.

Anderson Thees, Cofundador e Managing Partner da Redpoint eventures afirmou que “as oportunidades de aplicação de inteligência artificial no mercado brasileiro são enormes”. Ele já investiu anteriormente em projetos anteriores dos fundadores da CyberLabs. “A equipe da CyberLabs é de uma qualidade única no Brasil e compete em igualdade com as melhores do mundo, comprovado, inclusive, por resultados em competições globais. A empresa é liderada por um dos empresários mais bem-sucedidos do Brasil, e está focada em ampliar o acesso a tecnologias avançadas de IA”, disse.

A COVID-19 está se mostrando uma das maiores crises em gerações e um grande desafio para o Brasil. A CyberLabs foi incrivelmente ágil em alavancar a tecnologia desenvolvida nos últimos anos para resolver esses desafios tanto durante a crise quanto na preparação para um retomada segura.

Anderson Thees, Cofundador e Managing Partner da Redpoint eventures

Com normas semelhantes às leis de privacidade de dados na Califórnia e na Europa, a abrangente legislação de proteção de dados do Brasil, a LGPD, entra em vigor em Maio de 2021. De acordo com a startup, a tecnologia da CyberLabs foi  desenvolvida para ser compatível com a lei. “Isso inclui a capacidade dos consumidores optarem por compartilhar ou não suas informações, bem como mecanismos que transformam todos os dados coletados e usados pela IA em dados anônimos, com criptografia de última geração”, diz a startup.

A visão de longo prazo da CyberLabs é ajudar a digitalizar 200 milhões de brasileiros, para que tenham algo equivalente a um documento de identidade digital em seus smartphones.