Negócios

Startup de fundadores do iFood e Zé Delivery aposta nos mercadinhos de bairro e recebe Série A de R$ 53 milhões

Mercê do Bairro oferece um markeplace pelo qual pequenos mercados conseguem comprar mais barato de fornecedores e receber os produtos em até um dia

Startup de fundadores do iFood e Zé Delivery aposta nos mercadinhos de bairro e recebe Série A de R$ 53 milhões
Guilherme Bonifácio e Diego Libanio, cofundadores da Mercê do Bairro. Foto: Divulgação
Read in english

Um marketplace que conecta mercados de bairro – as tradicionais mercearias – a fornecedores, e gerencia toda a compra e a entrega dos produtos, essa é a proposta da Mercê do Bairro, startup que acaba de levantar uma rodada Série A de R$ 53 milhões liderada pela Flourish Ventures e GFC, com participação de MAYA, SV Latam, Quartz, Picus, Domo, Alexia Ventures e Prana.

A Mercê do Bairro foi fundada em 2019 por Diego Libanio e Guilherme Bonifácio, cofundadores do Zé Delivery e do iFood, respectivamente. Com a experiência adquirida nas experiências empreendedoras anteriores, os dois decidiram apostar no modelo conhecido como varejo integrado. Comum em países como a China, a base desse modelo é conectar toda a cadeia com o uso de tecnologia. Em outras palavras: substituir a planilha de controle de estoque por um app que conecta os pequenos mercados a fornecedores de todo tipo e auxilia toda a gestão de compra e venda. 

LEIA TAMBÉM: Favo, startup de supermercado online, capta R$ 141 milhões com Tiger Global

O foco da Mercê do Bairro são os empreendimentos menores, com um a quatro caixas. No Brasil, estamos falando de um mercado potencial de mais de 400 mil estabelecimentos. “É um público enorme e mal atendido. Esses empreendedores não têm acesso a ferramentas de gestão, vendas e crédito, e não contam com poder de barganha para negociar preços e serviços. Além de não terem capital de giro, nem todo fornecedor vende para eles, pois muitos são informais ou não compram as quantidades mínimas exigidas pelos distribuidores”, explicou Libanio. 

Pela solução da Mercê do Bairro, o mercadinho lista os produtos de que precisa no app e aguarda. A startup assume a partir daí: faz as compras no atacado e entrega a encomenda direto no estabelecimento em até um dia útil.

LEIA TAMBÉM: Brasileira Gonddo quer levar pequenos varejistas para a era do estoque digital

Além disso, a startup também conecta parceiros de abastecimento, distribuidores e fabricantes que têm logística de entrega, monitora preços e auxilia o empreendedor no acesso a crédito. O crédito para os empreendedores é oferecido de duas formas: em uma delas, o mercadinho dispõe de um prazo de 7 a 28 dias para pagar suas compras; na outra, a Mercê atua ajudando na obtenção de empréstimos, conectando o estabelecimento a parceiros que oferecem o serviço. 

Queremos que os mercados de bairro possam usufruir dos mesmos benefícios daqueles que fazem parte de grandes redes, tornando-os, assim, mais competitivo.

Diego Libanio, cofundador da Mercê do Bairro

Na visão dos novos investidores, ao adicionar produtos financeiros como crédito e pagamento em sua solução vertical, a Mercê gera um impacto direto no desempenho financeiro dos comerciantes e se diferencia de outros marketplaces com soluções semelhantes de gestão de estoque. “A Mercê tem o potencial de transformar o varejo informal no Brasil. A plataforma fácil de usar e a logística que oferece eliminam as fricções em termos de abastecimento, gerenciamento e otimização de inventário”, disse Arjuna Costa, Managing Partner da Flourish Ventures.

LEIA TAMBÉM: Merqueo, de entrega de supermercado, estreia no Brasil e prevê investir US$ 20 milhões no primeiro ano de operação

Atualmente, a Mercê atua nas regiões oeste, sul e leste da cidade de São Paulo, sobretudo em bairros periféricos. Com o aporte, a empresa irá expandir a operação para as áreas metropolitanas do Sudeste, em particular São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. No futuro, a startup pretende ajudar a escalar mercados de bairro em todo o país. Além disso, com o valor, os sócios devem investir no desenvolvimento do marketplace e reforçar o time, especialmente nas áreas de tecnologia e produto.