Negócios

Startups brasileiras captaram US$ 484,4 milhões em julho: Distrito

Julho teve uma queda de 75% no montante investido em relação ao mês recorde de junho, quando mais de US$ 2 bilhões foram investidos

Ilustração por Felipe Mayerle
Read in english

As startups brasileiras receberam US$ 484,4 milhões em 44 rodadas de investimento em julho, segundo o último relatório da plataforma de inovação Distrito. Este volume é 35% superior ao mesmo período em 2020, quando US$ 356 milhões foram investidos. Julho também teve uma queda de 75% no montante investido em relação ao mês recorde de junho, quando mais de US$ 2 bilhões foram investidos. 

LEIA TAMBÉM: América Latina tem recorde de mais de US$ 6 bilhões em investimentos para startups em um semestre

“O mercado de capital de risco continua crescendo de maneira intensa. Mais do que as mega-rodadas, o mercado está com um número acelerado de rodadas por mês, não é um evento concentrado apenas em startups mais maduras, mas do mercado geral”, disse Gustavo Gierun, cofundador do Distrito

LEIA TAMBÉM: Dona do iFood, Movile recebe aporte de R$ 1 bilhão da Prosus

Entre os principais investimentos em julho destacam-se os US$ 170 milhões para a alemã JOKR, que tem a Daki como representante no Brasil, os R$ 300 milhões para a Blu, R$ 250 milhões para o Will.Bank, US$ 35 milhões para a Cobli e R$ 110 milhões para a EmCasa

Segundo o Distrito, os setores mais aquecidos em julho foram fintech (US$ 191,6 milhões), com 14 investimentos; seguido por retailtech  (US$ 174,8 milhões), com cinco transações; healthtech (US$ 33.1 milhões), também com cinco movimentações; edtech (US$ 13,8 milhões), com seis transações e, por último, martech (US$ 2,6 milhões) apenas com a rodada da Croct

Caminhando para um ano recorde em investimentos VC no Brasil 

Neste ano, as movimentações somaram US$ 5,6 bilhões em 412 aportes. Considerando os investimentos no mesmo período dos anos anteriores, 2021 já supera em 386% o ano passado e 222% o ano de 2019. Entre os setores mais aquecidos em 2021 estão: 

  1. Fintech – US$ 2,6 bilhões – 93 transações
  2. Real Estate – US$ 851,4 milhões – 14 transações
  3. RetailTech – US$ 607,9 milhões – 46 transações
  4. Supply Chain – US$ 262,9 milhões – 17 transações
  5. Edtech – US$ 237,7 milhões – 32 transações

Segundo Gierun, por conta do processo de transformação digital das grandes empresas aliado à liquidez e o poder de barganha das grandes empresas de tecnologia do Brasil, o mercado brasileiro teve 134 M&As (fusões e aquisições) em 2021. Considerando o mesmo período dos anos anteriores, 2021 já supera em 97% o ano passado e 294% o ano de 2019, quando 68 e 34 fusões e aquisições foram realizadas, respectivamente. 

LEIA TAMBÉM: Jogo dos unicórnios: a NotCo é o primeiro ou o segundo unicórnio da história do Chile?

Em julho, os setores que mais tiveram M&As foram fintech (4), retailtech (4) e T.I (2), com destaque para as principais aquisições da Creditas, que comprou a Minuto Seguros e a Volanty, a Loft, que comprou a Credpago, a Lojas Renner que comprou a Repassa e o PicPay, que adquiriu o Guiabolso

Em 2021 como um todo, os setores que mais fizeram fusões ou aquisições foram fintech (25), varejo (22), marketing (17), edtech (9), healthtech (9), T.I (7), Insurtech (5), HRtech (4) e Legaltech (4).