Tecnologia

Futuro do trabalho? Facebook lança aplicativo de realidade virtual para trabalho remoto

Aplicativo de trabalho remoto de realidade virtual vai permitir que usuários realizem reuniões como versões de avatar de si mesmos

Facebook lança seu aplicativo de trabalho remoto de realidade virtual
Facebook testa app de trabalho remoto Horizon Workrooms para Oculus Quest 2. Imagem: Reuters
Read in english

O Facebook lançou nesta quinta-feira um teste de um novo aplicativo de trabalho remoto de realidade virtual, em que os usuários dos headsets Oculus Quest 2 da empresa podem realizar reuniões como versões de avatar de si mesmos.

O teste beta do aplicativo Horizon Workrooms do Facebook ocorre enquanto muitas empresas continuam a trabalhar em casa depois que a pandemia de COVID-19 fechou seus espaços de trabalho físicos e uma nova variante está varrendo o mundo.

O Facebook vê seu último lançamento como um passo inicial para a construção do “metaverso” futurístico que o presidente-executivo Mark Zuckerberg abordou nas últimas semanas.

LEIA TAMBÉM: O metaverso original

A maior rede social do mundo investiu pesadamente em realidade virtual e aumentada, desenvolvendo hardware como seus headsets Oculus VR, trabalhando em óculos AR e tecnologias de pulseira e comprando estúdios de jogos em RV, incluindo BigBox VR.

Ganhar domínio neste espaço, que o Facebook aposta que será a próxima grande plataforma de computação, permitirá que no futuro ele seja menos dependente de outros fabricantes de hardware, como a Apple, disse a empresa.

O vice-presidente do grupo Reality Labs do Facebook, Andrew “Boz” Bosworth, disse que o novo aplicativo Workrooms dá “uma boa noção” de como a empresa visualiza os elementos do metaverso.

LEIA TAMBÉM: Na guerra contra a Apple, Epic Games acusa App Store de monopolizar distribuição de apps

“Este é um daqueles passos fundamentais nessa direção”, disse Bosworth a repórteres durante uma entrevista coletiva promovida em realidade virtual.

O termo “metaverso”, cunhado no romance distópico de 1992 “Snow Crash”, é usado para descrever espaços imersivos e compartilhados acessados em diferentes plataformas onde o físico e o digital convergem. Zuckerberg a descreveu como uma “internet incorporada”.

Em sua primeira coletiva totalmente por meio de realidade virtual, a empresa mostrou como os usuários das salas de trabalho podem criar versões de avatar de si mesmos para se reunir em salas de conferência de realidade virtual e colaborar em quadros brancos ou documentos compartilhados, ainda interagindo com sua própria mesa física e teclado de computador.

LEIA TAMBÉM: YouTube, Facebook e Twitch: como as plataformas mais populares remuneram os criadores de conteúdo?

O aplicativo, gratuito por meio dos headsets Quest 2, que custam cerca de US$ 300, permite até 16 pessoas juntas em realidade virtual e até 50 no total, incluindo participantes de videoconferência. Bosworth disse que o Facebook agora usa Workrooms regularmente para reuniões internas.

A empresa informou que não usaria as conversas de trabalho das pessoas e os materiais nas salas de trabalho para direcionar anúncios no Facebook. Também afirmou que os usuários devem seguir os padrões da comunidade de RV e que o comportamento de quebra de regras pode ser relatado à Oculus.